O Encouraçado Potemkin

Roteiros – Cultura – Filmoteca do Roteirista

Direção: Sergei Eisenstein – 1926 – URSS – Drama – 74 min. – Roteiro: Eisenstein e Agadjanova Chutko – Elenco: Alexander Antonov, Grigori Alexandrov, Boris Barski 

Sinopse: A tripulação de um poderoso navio de guerra da Rússia revolta-se contra os oficiais por causa dos maus tratos.

Comentários: Assistir a um filme mudo e em preto e branco hoje em dia, em plena era da computação gráfica, do 3D, é uma aventura inusitada. Mas o curioso é que filmes como O encouraçado Potemkim não perderam a verve e a atualidade. Ao contrário, impressionam pela força e pela capacidade de resistirem ao tempo.

Pode-se dizer que Eiseinstein faz do seu navio, o Potemkim, um microcosmo da revolução comunista que derrubou o Czar e levou Lênin ao poder na Rússia em 1917. O navio surge como a miniatura de um país: os marinheiros representam o povo miserável e oprimido. Os oficiais são o poder, os nobres, os czaristas. Os suboficiais são a burguesia, indecisa entre os extremos, querem ser nobres, temem tornar-se ralé, mas são, em alguma medida, solidários a ela ao mesmo tempo. A guarda é o exército, a serviço da nobreza, e o padre representa a Igreja, até então fiel ao poder. O filme foi adotado pelos comunistas como um libelo à sua causa. De qualquer forma é um dos mais significativos filmes políticos de todos os tempos, além de ser uma verdadeira aula de cinema, de edição especialmente. Segundo o crítico Rubens Ewald Filho, O encouraçado Potemkim exerceu “inegável influência em todo o cinema mundial”.

O levante iniciado a bordo do Potemkim transborda do navio para a costa, na pequena cidade que recebe os amotinados. Logo os rebeldes têm um cadáver; mais que um morto, um mártir; mais que um mártir, um herói! Em terra, Eisenstein compõe cenas fabulosas, retrata a ira do povo contra a injustiça, o levante popular solidário aos marinheiros revoltosos. Há cenas fortes, expressões inesquecíveis de rostos, de gente do povo. E há sangue nas entrelinhas.

Da mesma forma que o motim transborda do navio para terra firme, o filme de Eisenstein transborda da revolução russa para uma revolução qualquer, em qualquer parte, ou apenas nos sonhos de bilhões de deserdados que, até o fim da vida, comerão o cocô dos czares, dos reis, dos ditadores e das elites pelo mundo afora. Tomar conhecimento disso é uma das grandes aventuras de se assistir a um filme mudo e em preto e branco, em plena ditadura da computação gráfica, do 3D e da falta holywoodiana de conteúdo que ameaça conquistar o mundo. 

Roteiro: Assinado pelo próprio Eisenstein e por Agadjanova Chutko, o roteiro de O Encouraçado Potemkim prima pela tensão que permeia a ação, capaz de fazer do telespectador um refém da narrativa. Como se trata de um filme mudo, percebemos que o roteiro cinematográfico é muito mais do que a construção de bons diálogos e falas. É, sobretudo, falar por meio de imagens, de boca fechada.

Por: Alexandre Gennari

 Assista

2 respostas para O Encouraçado Potemkin

  1. Pingback: O Encouraçado Potemkin | Webwritersbrasil's Blog

  2. ana disse:

    Uau!
    Agora me deu vontadede ver!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s